COMO DEVEMOS INTERPRETAR OS DEZ MANDAMENTOS?

Posted: Julho 6, 2011 in Blogs Recomendados
Etiquetas:

por Rev. Jucelino Souza

"Que uma e a mesma coisa, em respeitos diversos, é exigida ou proibida em diversos mandamentos"

"Que uma e a mesma coisa, em respeitos diversos, é exigida ou proibida em diversos mandamentos"

Como devemos interpretar a santa lei do SENHOR D_us à luz do entendimento dos Símbolos de Fé de Westminster, em seu Catecismo Maior.

O QUE É A LEI MORAL DO SENHOR D_US?
A Lei Moral é a declaração da vontade do SENHOR D_us, feita ao gênero humano, que dirige e obriga todas as pessoas à conformidade e obediência pessoal, perfeita e perpétua a ela – nos apetites e disposições do homem inteiro, alma e corpo, e no cumprimento de todos aqueles deveres de santidade e retidão que se devem ao SENHOR D_us e ao homem, prometendo vida pela obediência e ameaçando com a morte a violação dela.

QUE REGRAS DEVEM SER OBSERVADAS PARA A BOA COMPREENSÃO DOS DEZ MANDAMENTOS?
R. Para a boa compreensão dos dez mandamentos as seguintes regras devem ser observadas:
[Primeiro] – Que a lei é perfeita e obriga a todos à plena conformidade do homem inteiro à retidão dela e à inteira obediência para sempre; de modo que requer a sua perfeição em todos os deveres e proíbe o mínimo grau de todo o pecado.
Ref.: Sl 19.7, Tg 2.10; Mt 5.21,22

[Segundo] – Que a lei é espiritual, e assim se estende tanto ao entendimento, à vontade, aos afetos e a todas as outras potências da alma – como às palavras, às obras e ao procedimento.
Ref.: Rm 7.14; Dt 6.5; Mt 22.37-39 e 12.36,37.

[Terceiro] – Que uma e a mesma coisa, em respeitos diversos, é exigida ou proibida em diversos mandamentos.
Ref.: Cl 3.5; 1Tm 6.10; Pv 1.19; Am 8.5

[Quarto] – Que onde um dever é prescrito, o pecado contrário é proibido; e onde um pecado é proibido, o dever contrário é prescrito; assim como onde uma Pro¬mes¬sa está anexa, a ameaça contrária está inclusa; e onde uma ameaça está anexa a promessa contrária está inclusa.
Ref.: Is 58.13; Mt 15.4-6; Ef 4.28; Ex 20.12; Pv 30.17; Jr 18.7-8; Êx 20.7

[Quinto] – Que o que Deus proíbe não se há de fazer em tempo algum, e o que ele manda é sempre um dever; mas nem todo o dever especial é para se cumprir em todos os tempos.
Ref.: Rm 3.8; Dt 4.9; Mt 12.7

[Sexto] – Que, sob um pecado ou um dever, todos os da mesma classe são proibidos ou mandados, juntamente com todas as coisas, meios, ocasiões e aparências deles e provocações a eles.
Ref.: Hb 10.24,25; 2Ts 5.22; Gl 5.26; Cl 3.21; Jd 23

[Sétimo] – Que aquilo que nos é proibido ou mandado temos a obrigação, segundo o lugar que ocupamos, de procurar que seja evitado ou cumprido por outros segundo o dever das suas posições.
Ref.: Êx 20.10; Lv 19.17; Gn 18.19; Dt 6.6,7; Js 24.15

[Oitavo] – Que, quanto ao que é mandado a outros, somos obrigados, segundo a nossa posição e vocação, a ajudá-los, e a cuidar em não participar com outros do que lhe é proibido.
Ref.: 2Co 1.24; 1Tm 5.22; Ef 5.11

Extraído do Catecismo maior de Westminster (Perguntas 93 e 99)

Rev. Jucelino Souza
Twitter: http://twitter.com/jucelinosouza
E-mail: jucelinosouza@facebook.com

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s